Divorce rates are far higher among “modern” couples who share the housework than in those where the woman does the lion’s share of the chores, a Norwegian study has found.
Um estudo estatístico revela que os casais que partilham igualmente os trabalhos de casa, têm uma probabilidade de divórcio maior em cerca de 50%, quando comparados com os casais em que a mulher faz a maior parte do trabalho caseiro.
Portanto, e ao contrário do que seria de supôr, a taxa de divórcio é maior em cerca de 50% nos casais que partilham igualmente das tarefas caseiras, do que nos casais com menos igualdade de distribuição de tarefas.
Isto significa que quem defende a igualdade de género não se deve casar — o que tem uma vantagem enorme para a sociedade: não se casando, a probabilidade [de uma pessoa que defende a igualdade de género] se reproduzir é mínima, e a sociedade futura só fica a ganhar com uma fraca reprodução por parte de pessoas que defendem a igualdade de género.