Calculo que, para o Bloco de Esquerda, o facto de uma mulher ser a líder da extrema-direita francesa é um enigma. Perante este facto, o Bloco entra em dissonância cognitiva: será que Marine Le Pen é um travesti?! Só pode... mas imediatamente esta ideia é afastada, porque é desprestigiante para os travestis.
Valha-nos o Santo Lenine! Como é possível uma mulher ser líder da FN?! A ideia de um transexual também pode servir: afinal, os transexuais não se coadunam bem com a ideologia de género, e podem, por isso, servir perfeitamente para enquadrar a Marine Le Pen... é isso! A Marine Le Pen é um transexual, de raça branca, da classe dominante e dominadora... e heterossexual! Ou isso.